A epopeia do livro de Francisco

Autor: Evandro Tosin - Estagiário de Jornalismo

SAMSUNG

Ao decidir cursar história, Francisco não imaginava o poder que um certo livro exerceria sobre a sua escolha profissional. Metodologia do ensino de história, de José Antônio Vasconcelos, foi, por assim dizer, o “livro da faculdade” de Francisco Aguiar de Moura, recém-formado em Licenciatura em História. Mas, para chegar às suas mãos, o livro de Francisco percorreu 5 mil km numa viagem que cortou seis estados sobre navios e caminhões.

A epopeia do livro de Francisco começou em Campo Largo, no Paraná, e só terminou 15 dias depois em Boa Vista, capital de Roraima. Do mesmo lugar saem outros 3 milhões de livros todos os anos, e seguem diferentes caminhos até chegar a todos os estados brasileiros, mais o Distrito Federal. Na balança, é o equivalente a 900 toneladas de livros que chegam às mãos de estudantes como Francisco.

O ponto de partida desses portadores do conhecimento é o setor de Logística da Uninter. Ali, o auxiliar administrativo Sérgio Tosato prepara o material como este que chegou à capital de Roraima. Ao todo, 140 mil kits de livros foram distribuídos para todo o Brasil apenas entre os meses de maio e agosto deste ano. Depois de montados os kits, a também auxiliar administrativo Rosi do Rocio ajuda a abastecer os caminhões.

Esse conhecimento todo é transportado para os 669 polos ativos da instituição distribuídos por todo o país. Esse material vai realmente longe, desde os centros urbanos até os mais distantes municípios do interior. De caminhão ou de navio, os livros percorrem 6,2 milhões de km por ano. É como se tivessem percorrido três vezes e meia cada metro de toda a malha rodoviária do país, que corresponde a 1,7 milhão de km.

O percurso até Roraima, por exemplo, é realizado uma vez por mês. Considerando o tempo de descanso do motorista previsto em lei, e as cargas e descargas em navios e caminhões, o trajeto entre Campo Largo e Boa Vista dura 15 dias, em média. Mais de 20 transportadoras realizam o serviço de entrega para a Uninter aos seus polos de apoio presencial da educação a distância. São 6,5 mil entregas por ano.

“Temos os paradigmas da vida, se formar, conquistar o ensino superior. Somos um distribuidor de sonhos e emoções. O nosso trabalho vai muito além de só enviar livros, buscamos ter a maior performance”, diz o analista administrativo Felipe Zanin. “É muito gratificante saber que o livro chegou no momento certo, antes de começar as aulas. Temos essa meta, e estamos atingindo, esse é o objetivo maior. A nossa meta é para cada finalidade”, completa Rech.

Uma logística de padrão internacional

No depósito de 2,5 mil metros quadrados do setor de Logística da Uninter, em Campo Largo (PR), 31 colaboradores estão dedicados ao planejamento, atendimento ao cliente, armazenamento, gestão de transporte, expedição e distribuição, administração de estoque e de documentos. A principal missão do setor é fazer o material didático chegar aos alunos nos polos de apoio presencial, por mais longínquos que eles estejam e mesmo que a entrega pareça impossível.

“Nossa tarefa é levar a educação para o aluno. O material deve ir para qualquer lugar do Brasil, para que ele tenha condições de executar as atividades. Podemos pensar na distância física, mas talvez seja o oposto, encurtamos esse caminho. Ao mesmo tempo que está longe, ele está perto”, pontua o coordenador de suprimentos da Uninter, Vinicius Rimizowski.

Para se ter uma ideia dos desafios logísticos em um país continental como o Brasil, há regiões no estado do Pará em que o material só pode ser entregue em transporte, pelo Rio Amazonas. É o caso, por exemplo, do polo de apoio presencial de Afuá, uma das 16 cidades do arquipélago de Marajó, no estuário do Amazonas.

Aos leigos, é difícil imaginar o planejamento necessário para levar esse material a lugares tão inóspitos, mas a equipe de Campo Largo consegue. Os indicadores de desempenho da Logística estão acima de 98%, tomando por base os padrões internacionais. “Nossos indicadores de referência mundiais são os melhores, sempre atingindo as metas e práticas de mercado, não somente nacional, mas internacional”, explica o gerente de suprimentos da Uninter, Alvaro Rech.

A longa viagem

O movimento na Logística começa logo cedo, com o vaivém de caminhões recebendo as cargas de material didático, como o livro que viajou tanto para chegar às mãos de Francisco. A carga é pesada, assim como os desafios das rodovias federais, estaduais e municipais. Uma das paradas pelo caminho se dá em Presidente Prudente, maior cidade do Oeste paulista, com aproximadamente 40 instituições de ensino superior, inclusive a Uninter. Ali, uma pausa para tomar um café, já que o município foi referência na cafeicultura no início do século XX.

O caminhão segue adiante. Na passagem pelo Centro-Oeste do país, cruza parte do Cerrado, o segundo maior bioma da América do Sul. Na sequência, pela BR-364, uma parada em Cacoal, em Rondônia. Ali também tem polo da Uninter. É a metade da viagem. O dia chega a clarear, dá tempo de parar e tomar um café, banheiro e reabastecer o caminhão.

Em Porto Velho, capital de Rondônia, é preciso embarcar na balsa. São mais seis dias de navegação pelo Rio Madeira, com uma parada em Humaitá (AM). O navio aporta em Manaus, depois de percorrer 1.240 km. Quem assume a boleia do caminhão dali em diante é o experiente José Araújo, de 48 anos. O chão pela frente não é dos mais fáceis. “É desafiador, é uma parte isolada do Brasil, onde aumentam os desafios”, explica Araújo.

Araújo conhece os solavancos das estradas e vai balançar muito pelo estradão. Há oito anos na profissão de motorista, ele também é diretor da HC Transportes, uma das prestadoras de serviço à Uninter. A essa altura, o livro de Francisco já atravessou quatro estados, percorrendo planaltos e planícies Brasil afora. Agora é a vez de cruzar um “planeta verde”.

A Amazônia é um extenso mundo de águas e florestas que se espalham por todos os lados. De acordo com a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), a hidrovia amazônica tem 17 mil km, a maior do país, o que aumenta as dificuldades de atendimento logístico. A estimativa é de que 9,7 milhões de passageiros e cerca de 3,4 milhões de toneladas de cargas transitam por ano pela região amazônica.

De Manaus a Boa Vista serão mais 12 horas de viagem. A rodovia BR-174 corta a reserva indígena Waimiri-Atroari. São 221 km entre Presidente Figueiredo (AM) e Jundiá (RR) e ainda tem locais sem pavimentação e galhos de árvores, em que veículos podem atolar, principalmente no período de chuvas, de novembro a junho.

“Tem bastante buraco pelo caminho. Os indígenas ‘acorrentam’ a rodovia [fecham o portão sobre a rodovia que corta a reserva]. A entrada é bloqueada das 18h30 até às 6 da manhã. Os índios não deixam passar, é uma área preservada, não tem habitação”, explica Araújo.

Boa Vista é o destino final, na margem direita do Rio Branco. É a única capital do país localizada totalmente no hemisfério norte (Macapá é cortada ao meio pela Linha do Equador), contando mais de 375 mil habitantes. Em Boa Vista, quem recebe o material é o gestor do polo de apoio presencial (PAP), Ernandes Castro, e a auxiliar de secretaria, Priscila Borges. A viagem termina agora, mas o conhecimento está só começando.

O conhecimento que pode ser tocado

Depois dessa longa jornada pelas estradas tupiniquins, os livros chegam às mãos dos seus destinatários. “A importância do livro físico é que em qualquer lugar você pode fazer a leitura, estudar o conteúdo, porque nem em todos os lugares você vai ter acesso à internet”, diz Laurivando Bastos Barros, estudante de Metodologia do Ensino de Geografia no PAP de Boa Vista, que conta com 530 alunos matriculados.

E o que Francisco tem a dizer sobre o seu livro? “A sensação do conhecimento adquirido no material impresso é maior”, ele compara. Francisco é recém-formado em Licenciatura em História, também no polo de Boa Vista. Para ele, a praticidade e o prazer em ler o livro são mais evidentes.

“Os livros físicos facilitam a vida acadêmica do aluno. É indispensável porque a internet da minha casa e do nosso estado é precária”, destaca Loren Daniely Correa, egressa de Licenciatura em Geografia da Uninter. “Quando eu comecei o curso e me disseram que eu receberia livros, eu fiquei muito feliz. O livro facilitou minha aprendizagem, uma experiência maravilhosa receber aqueles livros”, completa Loren.

Para ela, “o destaque da Uninter é o material didático, muito útil e indispensável”. Há muito de convicção no que Loren diz. Ela agora faz uma pós-graduação em Metodologia do Ensino de Geografia na instituição.

Embed HTML not available.
Autor: Evandro Tosin - Estagiário de Jornalismo
Edição: Mauri König
Revisão Textual: Jeferson Ferro
Créditos do Fotógrafo: Evandro Tosin - Estagiário de Jornalismo


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *