Rádio junta educação, negócios e direito em um único programa

Autor: Evandro Tosin - Assistente multimídia

Educação, negócios e direito em um só podcast. O programa O Aprendiz: diálogos sobre Educação, Negócios e Direito é apresentado por Alceli Ribeiro Alves, coordenador de cursos de pós-graduação da Uninter. O programa vai ao ar todas as terças-feiras às 11 horas, no site da Rádio Uninter.

Alves afirma que há uma diversidade, uma intencionalidade de se ter e exercitar uma percepção holística e integradora sobre os fenômenos da vida cotidiana. Com isso, o programa aborda assuntos que envolvem a dimensão econômica, ambiental, jurídica, social e institucional no Brasil.

“O ser humano, o indivíduo, o cidadão, é curioso, interessado, sempre busca conhecer as coisas, explorar novas descobertas. Isso é próprio da nossa natureza, até mesmo por questões de sobrevivência. E essa busca por querer aprender, acaba por revelar um ser em busca constante pelo conhecimento. Este ser somos nós, cada um de nós. Ser este que podemos chamar de maneira abrangente e aplicável para todos como aprendiz”, destaca o autor e apresentador do programa.

Alves é coordenador de sete cursos de pós-graduação da Uninter na modalidade de educação a distância: Direito Educacional e Gestão de Instituições Educacionais, Metodologia do Ensino de Geografia, Metodologia do Ensino de História, Geografia Humana e Econômica, Metodologias Ativas na Docência da Educação, Administração Pública e Gestão de Cidades Inteligentes e Administração Pública Municipal e Desenvolvimento Local.

Ribeiro também é membro do conselho de pesquisa da instituição, líder do grupo de pesquisa CEIS (Cidades Educadoras, Inteligentes e Sustentáveis), além de ministrar aulas em cursos de graduação da Uninter. O professor é um dos autores do livro Cidades educadoras um olhar acerca da cidade que educa, da Editora Intersaberes.

O primeiro episódio contou com participação do professor e advogado Moisés Teixeira que tirou dúvidas recorrentes sobre a área do Direito durante a pandemia. Nessa edição, Teixeira explicou como a pandemia afetou o funcionamento do Direito, como, por exemplo, o Conselho Nacional de Justiça determinou a suspensão de atividades presenciais nas unidades judiciárias, com mínimo necessário de colaboradores, e prioritariamente em trabalho remoto. Além de debater sobre questões que envolvem contratos com instituições de ensino e contrato de locação de imóveis.

A segunda edição teve a presença de Alexandre Francisco de Andrade, professor dos cursos de pós-graduação da Uninter, na área de negócios. Durante a conversa, Andrade explicou sobre “Oportunidades de negócios e setores emergentes durante a Pandemia”. Para as empresas de médio e grande porte, principalmente na área tecnológica são momentos de novas experiências e muitas sentem os impactos financeiros.

Para Andrade, o modelo de home-office (teletrabalho) deve permanecer e, para isso, os colaboradores devem estar atentos para a segurança de dados. “Temos que estar amparados pela segurança da informação, compliance e como que cada um dos funcionários se mantêm quanto a segurança patrimonial”, comenta. Além da migração do uso de plataformas online, ele ainda relata a presença e aplicação da inteligência artificial, sejam eles nas áreas de contabilidade, design, construção civil e no mercado financeiro.

O terceiro episódio foi sobre marketing pessoal, com Elizeu Barroso Alves, coordenador do cursos de Gestão Comercial e Varejo Digital da Escola Superior de Gestão, Comunicação e Negócios (ESGCN) da Uninter. O marketing pessoal antes da pandemia era no cotidiano, no contato entre pessoas. Ele alerta para os cuidados na rede social, nesse mundo virtual, porque a imagem do profissional também está atrelada à organização.

O marketing trabalha com o 4 P’s: produto, preço, praça, promoção. “O primeiro passo é se reconhecer, no que de fato eu sou bom, tudo mundo tem uma expertise, e potencializar essa qualidade, e sempre cuidando a imagem, nós enquanto pessoas temos um rótulo”, explica Alves.

No quarto programa o assunto foi sobre Regiões de Influência das Cidades (REGIC) e os deslocamentos dos estudantes para cursar nível superior. A pesquisa permite a compreensão da evolução histórica do fenômeno urbano no Brasil. O encontro teve participação de Renata Adriana Garbossa Silva, coordenadora do curso de Licenciatura em Geografia da Uninter. O documento lançado nesse ano pelo IBGE, aponta que a consolidação de polos educacionais vinculados à educação a distância (EAD0, em várias cidades, procurou desconcentrar e interiorizar o ensino contínuo, o que aumentou o acesso à educação formal em diferentes regiões do país.

Embed HTML not available.
Autor: Evandro Tosin - Assistente multimídia
Edição: Mauri König


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *