Num mundo de imagens, precisamos ensinar a linguagem visual

Autor: Ivone Souza - Estudante de Jornalismo

A comunicação por imagens acontece desde a pré-história, quando nossos ancestrais começaram a desenhar nas paredes das cavernas e produziram um conjunto de pinturas rupestres que são o nosso mais antigo exemplo de linguagem.  Desde então, as imagens nunca deixaram de fazer parte da comunicação humana.

Em 1826, com a invenção da fotografia, as imagens ganharam um novo status, e passaram a cumprir o papel de representação da realidade. Essa tecnologia possibilitou às pessoas  “conhecer” lugares em que nunca haviam estado, dando-lhes uma nova visão do mundo.

Nos dias atuais, vivemos submersos em imagens que circulam por todos os lugares, seja em mídias digitais ou físicas. No entanto, a “leitura da imagem” como um código de comunicação ainda é pouco desenvolvida. Se por um lado existe tanto conteúdo visual, por outro lado falta raciocínio crítico às pessoas para avaliar esse conteúdo além de seu valor estético superficial.

No artigo A leitura de imagens no ensino de artes visuais, publicado no Caderno Intersaberes, da Uninter, Helena Maria Girotto Dorigo, estudante do curso de Licenciatura em Artes Visuais, faz uma reflexão sobre a necessidade de inserção do ensino da leitura de imagens na educação fundamental. De acordo com a autora, a linguagem visual desempenha um papel secundário na educação escolar quando comparada a assuntos mais tradicionais.

Helena destaca que a educação visual é importante e pode ajudar muito no desenvolvimento do aluno, já que a memória visual é uma poderosa aliada quando se trata de fixação de conteúdos, oferecendo possibilidades que a linguagem verbal não tem. Além disso, com a inserção da leitura de imagens no aprendizado, os estudantes podem se tornar cidadãos mais críticos e reflexivos em relação a produtos audiovisuais.

Hoje, temos acesso a várias tecnologias que permitem fazer alterações nas imagens, tais como mudar a cor, tamanho, tirar ou acrescentar elementos, que podem mudar totalmente o sentido de uma foto. Portanto, segundo a autora, é preciso “treinar o olhar do aluno” para que ele possa se acostumar com esse tipo de conteúdo. Além disso, é importante aprender sobre a cultura e a história das imagens para aprofundar conhecimentos sobre nossa sociedade.

Ainda de acordo com a autora, “o universo das artes visuais é bastante abrangente e rico em conhecimentos”. Além disso, a alfabetização visual oferece uma conexão mais profunda com vários tipos de textos e incentiva interpretações analíticas do que é representado, bem como de seus significados ocultos. Segundo Helena, o educador precisa estar preparado para atuar no “mundo moderno”, e isso exige conhecer a linguagem visual.

Embed HTML not available.
Autor: Ivone Souza - Estudante de Jornalismo
Edição: Mauri König
Revisão Textual: Jeferson Ferro


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *