Enfoc abre espaço para discussões sobre políticas públicas internacionais

Autor: Julia Siqueira - Estagiária de Jornalismo

Um dos Grupos de Trabalho (GTs) do XV Encontro de Iniciação Científica (Enfoc) da Uninter, que aconteceu entre os dias 8 e 9 de novembro no Campus Garcez, em Curitiba (PR), foi o de Políticas Públicas Internacionais.

Com o intuito de dar espaço ao tema e discutir trabalhos cujo campo de pesquisa são as relações internacionais, André Frota, professor da Uninter e coordenador do GT, conta que esta temática não se restringe ao público mais especializado.

“O tema desperta interesses cotidianos da população, em geral, e do público especializado, em particular. Seja pela influência da política internacional na agenda política brasileira, seja pelo grau de interdependência global entre os indivíduos, as empresas e demais organizações”, explica. Ao todo, sete trabalhos foram apresentados, sendo três deles na modalidade a distância.

Amanda Marques, especialista em Filosofia e Direitos Humanos pela PUC-PR, e atualmente estudante do curso Tecnólogo em Gestão Ambiental pela Uninter, foi uma das pesquisadoras a participar das sessões de apresentação, de forma presencial.

Seu artigo, “Refugiados ambientais: do não reconhecimento pelo direito internacional à responsabilidade de proteção da dignidade da pessoa humana pelo estado-nação”, tinha como objetivo principal apresentar as dificuldades, conceituais e jurídicas, enfrentadas por refugiados ambientais na busca por proteção internacional, e foi um dos destaques do grupo, segundo Frota.

Para ele, a pesquisa desenvolvida por Amanda Marques é notória por três motivos: “1) por ser aluna de outra instituição, o que tira a endogenia do congresso; 2) por ser um trabalho já submetido a uma banca de especialização; e 3) pelo futuro potencial de pesquisa”.

Amanda conta que, apesar de já ter concluído seu artigo, o tema exige um trabalho contínuo. “Embora os estudiosos façam análises teóricas e jurídicas sobre a situação legal dessas pessoas, não deve ser deixado de lado sua humanidade, e que independentemente da nomenclatura que recebam ou como são nomeadas, elas merecem respeito e viver de forma digna. Por isso é um tema que deve ser tratado com urgência pelos Estados e precisa, principalmente, de mobilização internacional. Este é um tema que eu ainda gostaria de desenvolver para estudos mais focados e específicos em um mestrado acadêmico”, afirma.

“Participar do Enfoc 2019 acrescentou muito para minha formação profissional e pessoal, foi uma experiência incrível. Me alegrou ver que a Uninter valoriza muito os grupos de estudos e a iniciação científica, desde os primeiros semestres da graduação. As palestras foram de ótima qualidade, e todas as atividades trouxeram professores qualificados, transmitindo informações relevantes, atuais e fundamentais para o crescimento profissional”, finaliza.

Embed HTML not available.
Autor: Julia Siqueira - Estagiária de Jornalismo
Edição: Mauri König
Revisão Textual: Jeferson Ferro
Créditos do Fotógrafo: Arquivo Amanda Marques


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *