Energia que brota do subterrâneo alimenta formação dos novos engenheiros


A construção e operação de uma usina hidrelétrica depende de conhecimentos provenientes de diversos ramos da engenharia, dentre eles as engenharias elétrica, civil, mecânica, da computação e da produção. Basicamente, usinas deste tipo fazem com que a pressão da água seja transformada em energia elétrica sustentável.

A usina hidrelétrica de Itaipu, localizada na fronteira do Brasil com o Paraguai, é um grande exemplo deste tipo de projeto de alta complexidade. Geralmente, usinas hidrelétricas têm sua plataforma erguida sobre o solo. Porém, existem casos de estruturas que são construídas debaixo da terra.

A Uninter levou os alunos dos cursos de educação a distância em Engenharia da Produção, Engenharia da Computação e Engenharia Elétrica, dos polos de Navegantes, Itajaí e Balneário Camboriú, em Santa Catarina, para conhecer uma usina hidrelétrica subterrânea. Os coordenadores destes cursos acompanharam seus alunos em uma visita técnica à usina de Salto Pilão. Localizada em Apiúna (SC), a obra foi construída dentro de um leito rochoso, de forma que tivesse menor impacto ambiental.

A visita, ocorrida no dia 5 de dezembro do ano passado, teve como principal objetivo proporcionar aos alunos uma experiência prática um tanto inusitada, como relata Juliano Júlio Rosa: “A escolha se deu por se tratar de uma usina hidrelétrica pouco comum. Esta é subterrânea, construída dentro de um leito rochoso, com alta tecnologia e padrões de qualidade, totalmente sustentável”, explicou o coordenador das engenharias da Uninter.

A atividade proporcionou aos estudantes a oportunidade de relacionar os conhecimentos teóricos que recebem em sala de aula com a prática na vida real. Juliano ressalta que os alunos gostaram muito da visita, e já pensam nas próximas atividades deste tipo. “Eles disseram que estão totalmente disponíveis a fazer novas visitas técnicas, também em empresas de outros ramos de atividade”, finalizou.

Edição: Mauri König / Revisão Textual: Jeferson Ferro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *