Dicas para vencer a procrastinação e adotar bons hábitos

Autor: Matheus Pferl - Estagiário de Jornalismo

A procrastinação é um desafio que está presente na vida de todos nós. Quem nunca fez uma promessa e não realizou, pois ficou adiando? Ou esperou até o último momento para terminar um trabalho, entregar um relatório, ou realizar uma tarefa que, de início, tinha um prazo longo. Frequentemente acabamos adiando a realização de certas tarefas, deixando-as para última hora, o que no fim gera estresse e até um certo desespero.

O terceiro e último dia do evento “Bate-Papo com o Polo Garcez” debateu exatamente as estratégias para driblar a procrastinação. O evento contou com a participação das professoras Ketlyn Sabadini e Maria de Freitas, da psicóloga e orientadora educacional Cristina Barros, da assistente social Simone Fernandes e do professor Paulo de Brito.

O hábito de procrastinar

Procrastinar é a mania de adiar a realização de uma tarefa, de deixar para “depois”. É um problema comum que afeta a todos; em alguns, mais, em outros, menos. Quem tem essa prática acaba comprometendo o seu resultado do trabalho, pois a qualidade do que é entregue costuma ser aquém do que poderia. Em casos extremos, as pessoas simplesmente deixam de cumprir com suas obrigações. Esse hábito pode ser atrelado à falta de responsabilidade e ao comportamento negligente.

Um dos maiores problemas que leva à procrastinação é a preguiça, pois quando estamos em nossa zona de conforto, é necessário um esforço extra para começar uma nova atividade, especialmente se ela não é prazerosa. Mas esse não é o único motivo: “A preguiça muitas vezes é a causa, mas devemos entender que a procrastinação não é só preguiça, ela pode ter origem psicológica ou fisiológica. Torna-se um hábito e não é um hábito saudável”, afirma Ketlyn.

Existem vários fatores que podem levar à procrastinação. Quando recebemos uma tarefa com um prazo longo, naturalmente acabamos adiando a execução para um momento mais próximo da data limite. Quando temos alguma obrigação que exige uma responsabilidade elevada, também é comum postergar. Geralmente esperamos um momento ideal, que acaba nunca chegando.

O problema é que isso gera um círculo vicioso. Temos um alívio imediato com o adiamento, e nossa tendência é repetir esse comportamento. Essa ação acaba impactando não somente na baixa produtividade, mas gera males à nossa saúde. Sintomas relacionados à depressão e ansiedade, hipertensão, estresse crônico e até doenças cardiovasculares são alguns dos problemas ligados à procrastinação.

“O cérebro se acostuma a fazer o fácil, o mais tranquilo para nós, pois nosso cérebro é acomodado, ele se acomoda tanto que a resistência é muito grande. E quando você tenta vencer essas barreiras, bate na procrastinação. É o seu subconsciente que não vai deixar você superar essa barreira”, afirma Maria Fernanda.

Como driblar a procrastinação

Existem alguns passos que podem ajudar a vencer a procrastinação. O primeiro é tentar identificar um padrão, analisando o que faz você procrastinar. O que pode tirar o seu foco? Tem alguma atividade específica que promove essa ação? Com isso é possível verificar um modo de agir e tentar criar hábitos que evitem esse comportamento.

Quando o problema é concentração, é importante prestar atenção em qualquer ação externa que possa prejudicar essa busca pelo foco. Algumas pessoas têm sofrido com isso no home office, o entretenimento por vezes acaba sendo mais interessante que as obrigações, e até mesmo a família pode atrapalhar nesse aspecto. Uma boa alternativa é tentar criar um cronograma, tentando imitar uma jornada tradicional, com horário de trabalho e intervalos definidos.

“Ouvir uma música pode ajudar. Existem músicas que são estimulantes, especialmente música clássica, eu indico Mozart. Tem algumas músicas que são ótimos estimulantes e podem ajudar, assim como ondas binaurais, que é uma técnica de som que simula o áudio 3D por meio de uma ilusão acústica. Pode ser de uma ajuda até surpreendente”, ressalta Maria Fernanda.

Outra dica é se concentrar em uma atividade de cada vez. É normal tentar resolver várias coisas de uma só vez, mas isso pode ser um grande problema, pois o resultado acaba sendo ruim. Ao se concentrar em tudo você acaba não se concentrando em nada, por isso, priorize uma tarefa de cada vez. Mais vale entregar um serviço bem feito do que dois mal feitos.

“O importante é criar metas reais. Metas irreais fazem a gente experimentar uma sensação de fracasso. Perder 10 quilos em uma semana, por exemplo, é uma meta irreal, aí a pessoa não consegue, com isso o cérebro vai se acostumando com o fracasso, podendo chegar em casos crônicos de procrastinação. O cérebro é uma máquina de treinamento, ele se acostuma. Se a meta for real, pequena e contínua, você sempre vai estar deixando o cérebro sentindo o gosto do sucesso, esse é o caminho”, conclui Maria Fernanda.

Se algo for muito trabalhoso, você pode dividir em partes, e ir se concentrando em uma de cada vez. É fundamental controlar essa ação problemática antes que se torne um hábito.

“É importante mudar os hábitos. Com a mudança de hábito, eu altero muitas outras coisas. Se começo a caminhar, ou correr, eu mudo minha alimentação, mudo o meu sono, mudo meu humor, e uma série de fatores”, conclui Ketlyn.

Todas as lives do evento “Bate-papo com o Garcez” foram transmitidas ao vivo, pelo Google Meet. Você pode conferir mais informações pela página oficial do Pólo Gracez da Uninter no Facebook.

Incorporar HTML não disponível.
Autor: Matheus Pferl - Estagiário de Jornalismo
Edição: Mauri König
Revisão Textual: Jeferson Ferro
Créditos do Fotógrafo: Pixabay e reprodução Facebook


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *