ARTES VISUAIS

A aquarela que não descolorirá

Já dizia Toquinho, em sua canção “Aquarela”, que nós não temos controle sobre o futuro, que “sem pedir licença muda nossa vida, e depois convida a rir ou chorar”. E foi sorrindo que João Correia Defreitas decidiu contar alguns anos da sua vida no livro “O Tempo da Memória”, ilustrado em aquarela por sua filha, Mônica Defreitas, tutora do curso de Artes Visuais da Uninter.

O lançamento ocorreu no dia 15 de dezembro de 2018, na galeria Casa da Imagem, em Curitiba (PR). No livro, o autor resgata memórias que vão desde sua infância em Paranaguá à vida adulta em Portugal. Os textos foram inicialmente publicados no seu perfil do Facebook, e após serem compilados se uniram a textos inéditos para compor a obra memorialista.

As delicadas ilustrações produzidas por Mônica acompanham o texto em seu tom poético. O formato da obra foi inspirado no caderno de rascunhos do artista Jean-Baptiste Debret, “O Caderno de Viagem”, que trazia aquarelas retratando a realidade brasileira, feitas quando ele veio ao país com a Missão Artística Francesa, no início do século XIX. Mônica já havia ilustrado outro livro com aquarelas, a coletânea de poemas “Tanto e Tão Pouco”, do jornalista paranaense Tomás Eon Barreiros, publicado em 2017.

A produção da obra contou com projeto gráfico de Nelson Smythe Jr., e a finalização ficou a cargo da Editora InterSaberes. Mônica conta que foi uma experiência interessante ilustrar o livro do próprio pai: “Teve uma questão toda afetiva, de algumas histórias que ele contou ao longo do tempo. Foi uma aproximação com a história dele, foi olhar para a história dele de outra forma”, afirmou.

Segundo a ilustradora, João emprega um vocabulário coloquial em seus textos, remetendo a um sentimento de saudade de Portugal e de sua vida por lá. O livro será também lançado em Paranaguá e em algumas livrarias de Curitiba.

 

Embed HTML not available.
Autor: Ariadne Körber - Estagiária de Jornalismo
Edição: Mauri König / Revisão Textual: Jeferson Ferro
Créditos do Fotógrafo: Ariadne Körber / Arquivo Pessoal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *