Concurso Cultural - História de Polo

Um projeto de TCC virou polo de EAD e hoje transforma milhares de vidas  

Autor: Valéria Kovayassi Gomes – Recursos Humanos (Curitiba – PR)

Fita cassete, casa de madeira e muito papel. Esse é o começo de uma história que já transformou milhares de vidas. Com muitas dificuldades e com a incerteza do futuro, Denise ousou! Teve medo, mas não deixou seu sonho de um futuro promissor escapar. Confiando no senso de oportunidade e na sua intuição, escolheu empreender e apostar naquilo em que acreditava.

Denise Maria Grocholski veio de família simples, com pais agricultores. Mesmo assim, ela e seus seis irmãos são todos formados – apesar dos obstáculos da vida, a falta de recursos nunca foi desculpa para deixar de estudar em sua família, o que sempre foi prioridade. Para eles a graduação era um objetivo a ser alcançado, pois tinham a convicção de que somente desta forma o futuro se tornaria sublime.

Depois de se formar em Letras Português – Inglês, em 2002, Denise começou um curso de extensão pelo CBED, em Tutoria. Para realizar seu trabalho de conclusão de curso, ela precisava de alunos para fazer seu treinamento como tutora. Seu professor, Joel Melo, lhe ofereceu uma telessala, e ela correu atrás de alunos para fazer o curso enquanto treinaria suas habilidades na tutoria.

Foi quando ela teve a ideia de locar um espaço próprio e se tornar gestora de um polo de educação a distância. Em 2003 conseguiu uma casa de madeira no Sítio Cercado, região sul de Curitiba, e juntou trinta alunos. Era um ponto de partida. A notícia da abertura do polo foi se espalhando e quando ela se deu conta já estava com noventa alunos.

As aulas eram transmitidas por fitas cassetes, e cada turma tinha seu horário, sempre aos sábados. Era cansativo, pois para atender às necessidades de todos os estudantes, começava as oito da manhã e ia até oito da noite.

Denise lembra de alguns momentos especialmente significativos, situações que marcaram essa jornada. Ela se recorda de um período de muita chuva, quando a telessala teve várias goteiras e foi preciso segurar um guarda-chuva para um aluno fazer uma prova. Outro fato marcante foi a logística da entrega dos livros para os alunos. Na época, ela não possuía carro, e seu trajeto para transportar os livros era realizado por transporte público – foram horas e horas de ônibus por Curitiba e Região Metropolitana.

Ela também lembra como no começo havia muita desconfiança das pessoas em relação ao polo e à EAD. O bairro onde se encontra o polo é de gente trabalhadora, humilde, e alguns futuros alunos, de nível social mais alto, faziam suas inscrições para se matricular e não apareciam. Outros desistiam ao ver a construção simples da escola, uma casa de madeira localizada em um beco. Por muitas vezes, Denise agendava a matrícula por telefone e quando o aluno chegava, nem descia do carro.

Houve momentos em que ela sentiu vontade de desistir. Problemas surgiam com o passar do tempo. As provas eram realizadas manualmente, e havia contratempos que às vezes geravam um descontentamento geral. Mas com paciência e persistência, as coisas foram se acertando e os laços entre ela e os alunos ficando cada vez mais fortes. Nos momentos em que sentia vontade de desistir, o seu coração se enchia de satisfação ao ver que seus alunos estavam conquistando uma melhor condição de vida. Com o tempo, era como se Denise fizesse parte da família para muitos deles.

O polo crescia e o espaço começou a ficar pequeno, e Denise mais uma vez ousou. Muita gente achou que era loucura, mas ela investiu na construção de uma nova sede em 2008. Foi preciso refinanciar seu carro três vezes. “Desistir, nem pensar”, esse era seu mote. Mesmo diante das dificuldades e das incertezas, Denise sempre acreditou que a modalidade de estudo a distância seria o futuro da educação. Manteve-se firme naquilo em que acreditava.

Hoje, não há dúvidas de que foi uma aposta certeira. O Centro Universitário Internacional Uninter tornou-se uma potência em todo o Brasil, e leva a chance de realizar sonhos para milhares de brasileiros. A EAD oferece ensino superior de qualidade, com preços acessíveis e com a comodidade e flexibilidade de horários e lugares.

Desde o início Denise teve essa percepção de que a falta de tempo e de condições financeiras eram os fatores que mais afastavam as pessoas do estudo. A EAD solucionava esses problemas e removia barreiras que pareciam insuperáveis para aqueles que queriam estudar. Por tudo que passou, a gestora sempre teve a certeza de que formar pessoas significava fazer um país melhor.

Hoje o polo do Sítio Cercado possui cerca de mil e quinhentos alunos, e pretende chegar aos dois mil até o final do próximo ano. A missão do polo é ajudar as pessoas a se formar e conquistar novas oportunidades de emprego, gerando prosperidade para toda a sociedade.

O que era para ser apenas um trabalho de conclusão de curso acabou se transformando num projeto de vida. Um projeto que continua vivo e que já transformou, para melhor, cerca de 15 mil vidas de estudantes de graduação e pós-graduação que escreveram um capítulo de suas histórias junto com a Uninter.

Incorporar HTML não disponível.
Autor: Valéria Kovayassi Gomes – Recursos Humanos (Curitiba – PR)
Revisão Textual: Jeferson Ferro


1 thought on “Um projeto de TCC virou polo de EAD e hoje transforma milhares de vidas  

  1. Parabéns pela bela história do Polo do Sitio Cercado.. Frequentei por três anos o polo. .E conclui o curso de Licenciatura em História no ano passado.. Hoje estou concluindo uma pós de Teologia. Eu não conhecia a história do Polo ..Fiquei muito contente de conhecer..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *