Por que a Uninter se tornou um bom negócio para o Vale do Pinhão na pandemia

Autor: Nayara Rosolen - Estagiária de Jornalismo

Em parceria com a prefeitura de Curitiba e a Agência Curitiba de Desenvolvimento, a Uninter foi responsável pelo terceiro módulo do Programa Bom NegócioVale do Pinhão, desde o segundo semestre de 2019. A instituição, que é referência nacional no ensino superior, entrou no projeto graças à visão do seu vice-reitor, Jorge Bernardi, sempre preocupado e dedicado a cooperar com o desenvolvimento social e da educação no país.

“Sempre que existe a possibilidade de nos envolvermos com o social, com a construção de uma sociedade melhor, pode ter certeza que o professor Jorge é o primeiro da lista a encabeçar o projeto. Com este, não foi diferente”, afirma Elton Schneider, diretor da Escola Superior de Negócios (ESGCN) da Uninter.

O Bom Negócio tem como objetivo a capacitação de gestão empresarial para aqueles que já empreenderam ou querem empreender, para melhorar a atuação de forma sustentável, seja empregado ou empregador. Entre 2005 e 2012, capacitou mais de 13 mil pessoas. A partir de 2018 passou por uma reestruturação com colaboração de esfera pública e privada, dando início a uma nova jornada. Todo o processo de aprendizado é gratuito.

O projeto passa por quatro módulos. O primeiro, com 16 horas de aulas a distância, traz conteúdos sobre o que é o empreendedorismo e quais os desafios e descobertas neste caminho. No módulo intermediário, as aulas mesclam presencial e a distância, passando por workshops e mentorias, somando 14 horas. O nível avançado é totalmente presencial e realizado pelas instituições de ensino superior (IES) parceiras. Ainda existe uma quarta etapa de mentoria opcional para aqueles que já têm algum negócio em andamento.

A Uninter entra no programa realizando a rota três de aprendizagem com a equipe da ESGCN, dirigida por Elton Schneider, e a Pró-reitoria de Pós-graduação, com o pró-reitor Nelson Castanheira. O professor Elizeu Alves, coordenador dos cursos de Gestão Comercial e Varejo Digital, é o grande responsável por organizar e executar todo o projeto dentro da Uninter.

Dos mais de 250 mil alunos ativos da Uninter, a ESGCN reponde por 60 mil deles no Brasil e nos Estados Unidos, com cerca de 45 cursos. “Temos o conhecimento sobre gestão, temos os professores com experiência acadêmica e empresarial para ajudar pessoas que querem construir os seus negócios e os seus sonhos. Nosso papel é facilitar o processo, reduzirmos a possibilidade de que este sonho não dê certo. Não existem ideias de negócios ruins, muitas vezes o que falta é gestão nisso somos bons”, explica Schneider.

Este ano, devido à pandemia do Covid-19, as aulas presenciais foram impossibilitadas e o programa passou por uma nova configuração. Durante 7 semanas, entre 2.jun.2020 a 16.jul.2020, os empreendedores foram divididos em três turmas, tendo aulas duas vezes por semanas com as disciplinas sobre Startups; Marketing, tecnologia e novos negócios; Gestão de pessoas; Mercado, produto, vendas e o novo cliente; Criação e inovação; Gestão inovadora; Finanças e sustentabilidade. Todas realizadas através do Univirtus Reuni, plataforma de videoconferência própria da Uninter.

“Vale ressaltar que a nossa IES foi a única parceira do programa que conseguiu atender essa demanda e disponibilizar os professores e o espaço virtual para que ocorresse as aulas. Era um grande desafio, pois são encontros que duram 4 horas. Imagina como iríamos manter a atenção dos alunos. E conseguimos, cada um dos professores se empenhou ao máximo”, salienta Elizeu.

Elton diz que estes novos desafios não interferem em nada na importância do programa e que, na verdade, a pandemia chama atenção para fatos importantes neste momento difícil, que poderão se tornar a nova realidade dos negócios. “Isto envolve aspectos como a digitalização dos negócios, home office, marketing digital, e-commerce, varejo digital. A transformação já estava acontecendo, agora está virando mudança obrigatória aos novos negócios”.

O professor ainda conclui que após este período o mercado retornará ao normal, mas “com certeza não seremos mais os mesmos e isto vai fazer toda a diferença”. Ele completa dizendo é preciso ter cuidado com aqueles que acreditam que vamos voltar ao passado, pois esse tempo já se foi e “vamos viver mais plenamente na era da transformação digital”.

Elizeu acredita que a importância do programa neste período aumenta pela necessidade de manter atualizado, além de poder trocar experiência com todos os outros empreendedores. Como profissional, ele enxerga que é essencial neste projeto o planejamento dos negócios, “em todos os sentidos”. Em relação ao mercado da educação, o professor afirma que “vai se renovar. Muitos são os desafios, principalmente dessa integração física-virtual”.

“Criar um negócio exige aprendizagem, depende mais de quem aprende do que de quem ensina. Os alunos devem levar do programa a mensagem de que gerir um negócio significa ser um doutor em sua área de atuação, envolve pesquisar, estudar, aprender cada vez mais e mais sobre o seu negócio e sobre o seu cliente”, finaliza Schneider.

Esta última edição contou com algumas transmissões ao vivo abertas para o público, através do canal do Youtube do Vale do Pinhão. A primeira live foi a abertura do programa com o professor Elton Schneider. A formatura também aconteceu, pela primeira vez, de forma virtual, no dia 17.jul.2020. Todos os 62 formandos e profissionais envolvidos no Programa Bom Negócio participaram e contaram com a participação de profissionais da área, que compartilharam suas experiências e deram dicas sobre como gerir um negócio.

Embed HTML not available.
Autor: Nayara Rosolen - Estagiária de Jornalismo
Edição: Mauri König
Créditos do Fotógrafo: Ruslan Burlaka/Pexels


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *