Pesquisas em rede dão outras dimensões às produções científicas

Autor: Juliane Lima - Estagiária de Jornalismo

Num mundo conectado, não faz mais sentido pesquisar sozinho. Essa foi a mensagem de encerramento do XV Enfoc – Encontro de Iniciação Científica, XIV Fórum Científico, VI Seminário PIBID – Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência e I Seminário do Programa de Residência Pedagógica. Participaram os professores e pesquisadores da Uninter Joana Paulin Romanowski, Marcia Maria Fernandes de Oliveira e Mário Sergio Cunha Alencastro.

Segundo Joana, o propósito do evento foi debater algumas perspectivas que envolvem a pesquisa. Ela falou sobre a pesquisa em rede, da qual o próprio ENFOC é um exemplo, já que envolve uma rede de pesquisadores da iniciação científica (graduação), de mestrandos, além da coordenação de professores doutorandos e doutores.

“É através da pesquisa em rede que nós conseguimos aprofundar a pesquisa, e também fazer com que ela tenha mais circulação e maior interação entre as atividades, unindo diferentes pesquisadores de modo interdisciplinar e transdisciplinar”, diz Joana.

Joana citou ainda o programa de Mestrado em Educação e Novas Tecnologias da Uninter, que faz parte da rede de pesquisadores RIPEFOR (Rede Interinstitucional de Pesquisadores sobre Formação e Práticas Docentes), que agrupa grupos de pesquisa na área educacional de diversas universidades na região sul do Brasil.

Na sequência, a professora Marcia Maria Fernandes de Oliveira falou sobre o tema “educação em direitos humanos”, que é objeto de seu grupo de pesquisa no Mestrado em Educação e Novas Tecnologias da Uninter.

Marcia falou sobre a importância do tema no contexto da América Latina: “as primeiras experiências de educação em direitos humanos concretizaram-se por meio de experiências de educação popular e de educação formal, voltadas para a luta contra os regimes autoritários, a luta, a conquista e a construção de processos democráticos”, conta a professora.

Para encerrar esta edição do ENFOC, o professor Mário Sergio Alencastro apresentou uma discussão sobre ética em pesquisa. Ele lançou uma série de perguntas antes de começar sua palestra: “Para que fazemos pesquisa? Para quem? O que devemos pesquisar?”

O professor falou aos pesquisadores sobre a importância de ter um propósito quando se inicia uma pesquisa científica. Mário usou o exemplo do desenvolvimento tecnológico, que se deu muito através de resultados de pesquisas científicas. “A pesquisa tem efeitos colaterais. Nós assumimos a tecnologia, porém, antes disso, não discutimos qual tecnologia queremos para nós”, falando sobre a necessidade de conhecer os aspectos sociais nos quais estamos inseridos.

Ele destacou também a necessidade do avanço nas relações humanas, pois atualmente temos exemplos de sociedades que estão vivendo um colapso social. Para que a pesquisa possa ter um grande impacto, ela precisa entender o contexto em que está inserida. Ao final, concluiu com a mensagem: “ciência e ética deveriam caminhar juntas, em busca de um progresso sempre em benefício da humanidade e do planeta”.

Embed HTML not available.
Autor: Juliane Lima - Estagiária de Jornalismo
Edição: Mauri König
Revisão Textual: Jeferson Ferro
Créditos do Fotógrafo: Juliane Lima - Estagiária de Jornalismo


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *