O trabalho do farmacêutico na área de logística dos terminais cargas em aeroportos

Autor: Bárbara Possiede - Estagiária de Jornalismo

Ao comprar um medicamento na farmácia ou retirar o resultado de um exame no laboratório, é possível entrar em contato com o trabalho de um farmacêutico. O profissional, bacharel em Farmácia, é muito conhecido por atuar no ramo de medicamentos, fármacos e cosméticos. Porém, sua formação generalista permite que atue em diversas áreas.

O farmacêutico assume o papel de um profissional multifacetado e sua atuação é reconhecida em 10 linhas distintas, com 136 especialidades diferentes. Entre alimentos, educação e saúde pública, pode atuar inclusive na cadeia logística.

É o caso de Gustavo Behrend, farmacêutico responsável técnico no terminal de logística de cargas no Aeroporto Internacional de Curitiba Afonso Pena, atuando na PAC LOG Logística Aeroportuária. Gustavo é responsável por cuidar de toda a infraestrutura do terminal de carga, incluindo a parte técnica da elaboração de procedimentos manuais. De acordo com ele, tudo que compõe o sistema de gestão da qualidade do terminal é atribuição do farmacêutico responsável.

“A potabilidade da água, o gerenciamento de resíduos sólidos, o tratamento de efluentes, calibração de equipamentos, tudo isso passa pelo responsável técnico. É como costumo dizer, quando você se torna o responsável técnico, acaba adquirindo o sentimento de dono também”, explica em tom de brincadeira.

Tudo isso é para garantir a qualidade da carga, já que cargas de cunho sanitário são muito sensíveis. A temperatura, por exemplo, é um dos fatores que influencia nas condições dos medicamentos, podendo deteriorar a mercadoria, por isso as questões de armazenamento e transporte são muito importantes.

As atribuições do cargo de farmacêutico em recintos alfandegados, portos, aeroportos e fronteiras é regida pela RDC 346/2002 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), e pela resolução 495/2008 do Conselho Federal de Farmácia (CFF).

Gustavo tem pós-graduação em Logística de Produtos Sujeitos a Vigilância Sanitária e dá dicas do que é preciso desenvolver para atuar na área. Ele explica que é primordial gostar de lidar com documentos e ser um “amante das legislações”, porque todas são constantemente atualizadas e o profissional precisa estar atento. É preciso ter senso crítico e ser dinâmico. Ele alega que é necessário desenvolver um olhar amplo e ter senso de observação para ajudar a resolver qualquer problema que aparecer.

Aprender sobre gestão da qualidade e comércio exterior também foi essencial para a carreira de Gustavo, mas ele ressalta que uma das atribuições mais importantes para este profissional é a gestão de equipes. “Ninguém conseguirá dar conta desse trabalho todo sozinho. Não adianta ter todo o sistema de qualidade implementado e não conseguir treinar toda a equipe para executar os procedimentos como devem ser executados. Dependemos da conexão de todos os elos da cadeia logística”.

A atuação do farmacêutico na área de logística foi tema da live realizada pela página de Farmácia da Uninter no Facebook, no dia 1º de julho. O bate-papo com Gustavo foi mediado pelo professor Vinícius Bednarczuk. Você pode conferir a transmissão na íntegra através do link.

Embed HTML not available.
Autor: Bárbara Possiede - Estagiária de Jornalismo
Edição: Mauri König
Revisão Textual: Jeferson Ferro
Créditos do Fotógrafo: Reprodução vídeo PAC LOG


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *