Aumenta a oferta de crédito para pessoas físicas no Brasil

Autor: Assessoria

Com um ritmo mais acelerado, a concessão do aumento de crédito para pessoas físicas tem crescido no Brasil. Mesmo com uma economia instável e um grande número de desempregados, o país continua tendo giro, principalmente no comércio.

De acordo com um levantamento feito pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), com base em dados do Banco Central, entre janeiro e setembro de 2019, em termos reais – quando se exclui a inflação – a concessão de crédito para pessoa física aumentou cerca de 11%. Esse é considerado o melhor resultado desde 2012.

Para o professor dos cursos de Direito e Economia da Uninter, Rodolfo dos Santos Silva, a elevação do crédito comercial pode ser recebida como uma boa notícia pela população e pelo mercado. ”Esse aumento no crédito representa uma modalidade fundamental para a ampliação do consumo. Representa uma forma de antecipação de um bem com a promessa de pagamento em determinado tempo pré-estabelecido”, diz o professor.

Apesar do aumento do crédito, ainda é preciso estar atento para não se endividar. De acordo com o especialista, há pouca elevação na qualidade do consumo e queda no poder aquisitivo dos trabalhadores. Com isso, vem à tona a preocupação de que a população se endivide ainda mais.

”Só a concessão do crédito não basta, é necessário que esse crédito seja acessível e barato, que promova de fato o consumo. O risco é alto para quem concede, principalmente se não houver uma confiança por parte das instituições bancárias e financeiras”, conclui o professor.

Para fazer com que a economia volte a crescer, assim como aconteceu com o crédito para pessoas físicas, é preciso que o mercado acompanhe o sistema financeiro. De acordo com Silva, o governo tem buscado reduzir os juros, mas é preciso um esforço maior para acompanhar esse trabalho na mesma proporção.

”Além de um crédito acessível aos trabalhadores de baixa renda e também aos demais, é importante pensar em estratégias para promover o consumo de produtos manufaturados da indústria nacional, garantindo a geração de empregos, também neste setor. A elevação do crédito tem que vir combinada com a geração de empregos, garantindo renda, consumo e mais produção”, finaliza o especialista.

Embed HTML not available.
Autor: Assessoria
Créditos do Fotógrafo: Pixabay


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *