Projeto de mestrado cria aplicativo para unir educadores de todo o mundo

Autor: Juliane Lima - Estagiária de Jornalismo

A educação é uma área que pode se beneficiar muito do compartilhamento de ideias e experiências. Visando ao aprimoramento do trabalho dos educadores em sala de aula, a pedagoga Ana Paula Dallagassa Rossetin, aluna do Mestrado em Educação e Novas Tecnologias da Uninter, desenvolveu um aplicativo que promove a interação entre educadores, focados em seus problemas cotidianos, e assim contribui para o processo formativo dos professores no seu ambiente escolar. O projeto foi apresentado em banca de defesa, que aconteceu no dia 12.03.2020, no campus Garcez da Uninter, em Curitiba (PR).

Ana, que é pedagoga desde 2003, sempre percebeu uma dificuldade na comunicação entre o corpo docente e o pedagogo escolar nas escolas onde trabalhou. Isso muitas vezes dificulta o trabalho do educador em sala de aula, pois ele acaba ficando sem apoio para resolver seus problemas. Foi a partir de sua experiência profissional que ela identificou a necessidade de aperfeiçoar esse canal de contato entre o professor e o pedagogo.

Seu projeto de mestrado ganhou o título de [email protected]@ Pedagógica: User Experience em Atividades Reflexivas e Contextualizadas de Pedagoga(o)s. A pesquisa acadêmica de Ana fundamentou o desenvolvimento de um aplicativo que tem 3 funções principais: compartilhamento, interação e troca de experiências entre professores e pedagogos, de qualquer parte do mundo.

Para entender melhor o que o aplicativo precisava oferecer para ser útil no dia a dia escolar, a mestranda usou a metodologia de entrevistas dirigidas, aplicadas a pedagogas. A partir das respostas, ela pôde identificar quais as dificuldades enfrentadas pelas educadoras no ambiente escolar. E uma das dificuldades detectadas foi justamente a de promover formação e atualização de professores em larga escala.

Muitas vezes os métodos aplicados na formação acadêmica dos professores não condizem com o contexto escolar no qual eles atuarão. Por isso, Ana entende que o pedagogo escolar deve atuar como um formador, de maneira próxima e contextualizada. “É preciso trabalhar no foco do que o professor está sentindo naquele momento. Esse aplicativo serve justamente para isso, eu posso estar trabalhando com pedagogos de outras regiões, que passam pelo mesmo problema que eu”, fala a pedagoga.

No aplicativo, Ana colocou 7 abas, representando temas que identificou como essenciais nesse processo formativo. São elas: Pensamento Visível; Ação Reflexiva; Contexto; Maravilha; Descolonização; Estúdios Virtuais; Ludicidade.

O pedagogo que tem acesso ao aplicativo preenche informações sobre seu trabalho em cada uma dessas abas, conforme a realidade escolar na qual está inserido. O compartilhamento dessas informações gera uma interação com outros pedagogos que usam o aplicativo, a partir das afinidades entre eles. Essa aproximação permite a troca de experiências e sugestões de enfrentamento dos problemas que precisam ser solucionados.

A banca que avaliou o trabalho de Ana foi composta por Siderly do Carmo Dahle de Almeida, Ivo José Both e Luana Priscila Wunsch (orientadora), da Uninter, além da professora convidada, Nuria Pons Vilardell Carnas, da UFPR. O trabalho foi aprovado com nota máxima, com indicação para publicação e envio de patente. Ana pretende agora prosseguir com a sua pesquisa em um futuro doutorado.

 

Embed HTML not available.
Autor: Juliane Lima - Estagiária de Jornalismo
Edição: Mauri König
Revisão Textual: Jeferson Ferro
Créditos do Fotógrafo: Juliane Lima - Estagiária de Jornalismo


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *