Engenharia encontra nos jogos novas estratégias de aprendizagem

Autor: Bárbara Possiede - Estagiária de Jornalismo

Jogos de tabuleiro fazem parte da infância e adolescência de muitas pessoas no Brasil. Até mesmo hoje, na fase de jogos eletrônicos e videogames, é difícil encontrar quem não goste de passar um tempo com os amigos se desafiando em algum jogo. Mas você seria capaz de imaginar isso acontecendo dentro de um simpósio de engenharia?

Pois essa foi uma das oficinas do IV Simpósio de Engenharias e Tecnologia da Uninter, que, juntamente com os workshops de Currículo Lattes, Citações automáticas com Mendeley e Comportamento defensivo no trânsito (motos), completou a programação do último dia do evento, em 14.nov.2019, no campus Garcez, em Curitiba (PR).

Os alunos que optaram pela oficina de jogos encontraram, além de muita diversão, vários desafios e oportunidades de aprendizado. A atividade foi idealizada pelos professores da Escola Politécnica Kellen Coelho dos Santos, Francielly de Castro Silva, Leonardo Gomes e Renan Portela e contou com 5 jogos diferentes: Power Grid, Poker, Kanban, Pipeline e Food Chain Magnate.

Segundo Kellen, todos os jogos estão relacionados com alguma disciplina dos cursos das engenharias de Produção, Elétrica e Computação. “Eles ajudam e facilitam em algumas disciplinas. Por exemplo, o poker: ajuda na administração estratégica, te prepara para sofrer pressão, tomar decisões rápidas e de risco, é bem interessante”, explica.

De acordo com ela, a ideia de desenvolver essa ação durante o simpósio surgiu quando os professores perceberam que os estudantes precisam de um estímulo não tradicional. “Chegamos à conclusão de que precisamos mudar um pouco nossa forma de ensinar, porque apenas uma aula de slides fica tediosa, os jogos são capazes de estimular também a interação e competição entre os colegas”, afirma.

Conheça um pouco mais sobre os jogos que foram demonstrados na oficina:

Power Grid

Jogo de gestão de negócios no ramo de produção e distribuição de energia elétrica. Propício para o ensino de conceitos de eficiência, produtividade e decisão de investimento. O jogo tem como objetivo fornecer energia para vários municípios a partir de linhas de transmissão que os conectam. Essa energia é produzida por diversos tipos de usinas que podem ser adquiridas pelos jogadores através de leilões. O mecanismo de leilão aplicado no jogo é muito semelhante ao que geralmente ocorre quando governos decidem privatizar usinas elétricas estatais. Outro ponto que o jogo pode ajudar a trabalhar com os estudantes é a lei da oferta e da procura, já que o mercado representado no jogo demonstra muito bem a oscilação de preços.

Pipeline

Neste jogo, o refinamento de petróleo, até então controlado pelo setor de energia do governo, passa a ser privatizado. A partir de então, cada jogador inicia a sua empresa buscando capitalizar esta oportunidade. Para elaborar uma cuidadosa rede de dutos, bem como contratar especialistas e gerenciar a logística de compra e venda, o jogador deverá empregar diversos conceitos. Só assim poderá vencer o jogo.

Poker

O jogo de cartas mais popular do mundo começou a ser usado no meio acadêmico na Universidade de Harvard. Inicialmente, foi utilizado em disciplinas de Direito ligadas à negociação, e depois focado em tomada de decisões em Administração e Ciências Aplicadas. O jogo permite estudar análise combinatória, probabilidade, esperança matemática e teoria dos jogos. Acredita-se que o bom jogador de poker tem de desenvolver e praticar competências semelhantes às de um bom gestor de negócios.

Kanban

A palavra japonesa Kanban (quadro de avisos) é um termo muito utilizado para elementos visuais capazes de controlar e otimizar o fluxo de trabalho. O jogo segue a dinâmica da palavra que dá nome a ele, a partir do momento que o jogador precisa controlar o fornecimento de peças, aprimorar designs e buscar inovações para se destacar com uma gestão consistente de recursos em uma fábrica.

Food Chain Magnate

Neste jogo o objetivo é construir uma companhia de fast food realizando gestão de recursos, pessoas e marketing, administrando a fim de maximizar seus lucros. Num universo recheado de decisões estratégicas e táticas difíceis, os jogadores competem por espaço no mercado usando armas do mundo business, tais como: marketing, compra e venda e muito mais.

 

Embed HTML not available.
Autor: Bárbara Possiede - Estagiária de Jornalismo
Edição: Mauri König
Revisão Textual: Jeferson Ferro
Créditos do Fotógrafo: Lucas Vasconcelos - Estagiário de Jornalismo


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *