AMOR E DITADURA: FORÇAS OPOSTAS?

Antoine Youssef Kamel

Resumo


A revolução, como sistema político, foi cruel para proteger a si mesma e sua perpetuação. Censura prévia, cassação de direitos civis, tortura. Não se louva o que aconteceu nesse período, mas a dor e o sacrifício são inerentes à vida e a qualquer sistema político, seja autoritário, seja democrático. O amor é a força maior de uma causa. Pode ter sido a força da ditadura. O amor tudo pode, mas nem tudo lhe serve. A transição de um regime militar para um regime democrático ainda não está completa, quer pelo anelo de justiça, quer na busca pela verdade histórica. Não uma suposta verdade única, absoluta, mas da verdade que se constrói a cada dia a partir do estudo e da reflexão.


Referências


ANOS das Diretas Já. Revista da Ordem, Paraná, n. 2, jan./fev. 2014. Especial, p. 20–23.

BLOCH, Marc. Apologia da História: ou O Ofício de Historiador. Tradução de André Telles. Rio de Janeiro: Zahar, 2002. Recurso eletrônico.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado. In: ______. A sociedade contra o Estado. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988.

CORTELLA, Mario Sergio; RIBEIRO, Renato Janine. Política para não ser idiota. Campinas: Papirus, 2012. Recurso digital.

FICO, Carlos. Versões e Controvérsias sobre 1964 e a Ditadura Militar. Disponível em: . Acesso em: 07 fev. 2014.

FREIRE, Américo. Ditadura, democracia e estado de exceção. Disponível em: . Acesso em: 07 fev. 2014.

LOCKE, John. Ensaio sobre o entendimento humano. Tradução de Anoar Aiex. São Paulo: Saraiva, 2013. Recurso eletrônico.

MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe. 5. ed. Tradução de Lívio Xavier. São Paulo: Nova Cultural, 1991.

NAPOLITANO, Marcos. 1964: História do Regime Militar Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014. Recurso eletrônico.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Conselho de Segurança. O Estado de Direito e a justiça de transição em sociedades em conflito ou pós-conflito. Anistia política e justiça de transição, Brasília, n. 1, jan./jun. 2009.

PAIVA, Natália. 82% dos brasileiros ignoram ato que radicalizou repressão militar. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2014.

SANTOS, Roberto Lima. Crimes da Ditadura Militar: Responsabilidade internacional do Estado Brasileiro por Violações aos Direitos Humanos. Porto Alegre: Núria Fabris, 2010.

SHAKESPEARE, William. Júlio César. Domínio Público.

SOARES, Gláucio Ary Dillon. O Golpe de 64. In: SOARES, Gláucio Ary Dillon; D'ARAUJO, Maria Celina. 21 anos de regime militar: Balanços e Perspectivas. Rio de Janeiro: FGV, 1994.

FOLHA de São Paulo. AI-5. Disponível em: . Acesso em: 04 fev. 2014.

VAN GOGH, Vincent. Cartas a Théo. Tradução de Pierre Ruprecht. Porto Alegre: L&PM, 2002. Recurso eletrônico.

VASCONCELOS, Cláudio Beserra de. As Análises da Memória Militar sobre a Ditadura: balanço e possibilidades. Disponível em: . Acesso em: 07 fev. 2014.

WOLKMER, Antônio Carlos. História do Direito no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003. Recurso eletrônico.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .