Educação do campo e oralidade: contribuições dos contos populares nas escolas do campo

Clarice Gonçalves Rodrigues Alves, Sérgio Luis Lopes, Héctor José Garcia Mendoza

Resumo


RESUMO

A educação do campo tem suas peculiaridades, exigindo que o educador que atua nesta modalidade de ensino execute práticas pedagógicas que relacionem conteúdos disciplinares com o cotidiano dos educandos, que provoque questionamentos sobre o mundo do trabalho, sobre suas interações com a sociedade, sobre sua percepção de si e do meio circundante. O presente artigo pretende analisar as contribuições da oralidade na educação do campo. As análises surgiram dos resultados projeto de ensino, pesquisa e extensão “Conte Comigo”, executados entre 2013 e 2015, no Instituto Federal de Roraima- Campus Novo Paraíso (IFRR-CNP) e nas escolas na zona rural dos municípios de Caracaraí e Rorainópolis, ambos localizados no sul do estado de Roraima.

 

palavras-chave: Educação do campo. Oralidade. Mediação cultural. Contos populares. Leitura.

ABTRACT

Educational in rural areas has its own peculiarities, which require the educator who works in this kind of teaching to execute pedagogical practices that relate disciplinary content with the daily lives of students, leading questions about the world of work, on their interactions with society, on their perception of themselves and on the surrounding environment. This article aims to analyze the contributions of orality in education in rural areas. The analysis emerged from the results of an educational project research called "Tell Me", carried between 2013 and 2015, in the Federal Institute of Roraima- Campus New Paradise (IFRR-CNP) and schools in rural areas of the municipalities of Caracaraí and Rorainópolis, both located in the souther area of the state of Roraima.

Keywords: Educational in rural areas. Orality. Cultural mediation. Popular Stories. Reading.

RESUMEN

La   educación   en   el   campo   tiene   sus   peculiaridades, exigiendo   que   el   educador   que   actúa   en   esta   forma   de enseño   tenga   practicas   pedagógicas   que relacionen   los asuntos disciplinares con el cotidiano de los alunos exigiendo   que   el  educador   que   actúa   en   esta   forma   de enseñanza   tenga   practicas   pedagógicas   que   relacionen   los asuntos disciplinares con el cotidiano de los alumnos,  que provoquen   cuestionamientos   sobre   el   mundo   del   trabajo,sobre   sus   interacciones   con   la   sociedad,   sobre   su percepción   de  si   mismo   y   del   medio   que   lo   circunda.   El presente artículo pretende analizar las contribuciones de la oralidad en la educación en el campo. Los análisis surgieronde  los  resultados de un)proyecto de  enseñanza,  pesquisa y extensión “ Cuente Conmigo”, realizados entre 2013 y 2015, en el Instituto Federal de Roraima – Campus Novo Paraíso (IFRR-   CNP)     y   en   las   escuelas   de   la   zona   rural   de   las municipalidades   de   Caracaí   y  Rorainópolis,   ambas localizadas en el sur del estado de Roraima.

 

Palabras-clave: Educación en el campo. Oralidad. Mediación cultural. Cuentos populares. Lectura.

 


Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARROYO, Miguel Gonzalez e FERNANDES, Bernardo Mançano. A educação básica e o movimento social do campo – por uma educação básica do campo. Brasília: MST - Coordnação da Articulação Nacional Por uma Educação Básica do Campo, 2011.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. As flores de abril: movimentos sociais e educação ambiental. Campinas: Autores Associados, 2005.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários a prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2013.

LEITE, Sérgio Celani. Escola rural: urbanização e políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 2002.

PALUDO, Conceição. Educação popular e movimentos sociais. In: ALMEIDA, Benedita de; ANTÔNIO, Clésio Acilino (orgs). Educação no campo: um projeto de formação de educadores em debate. Cascavel: UNIDEST, 2008.

PINSKY, Jaime; PINSKI, Carla Bassanezi. Por uma proposta prazerosa e consequente. In: KARNAL, Leandro. História em sala de aula: conceitos, práticas e propostas. São Paulo, 2013.

RAMOS, Jânia. O espaço da oralidade na sala de aula. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

SACRISTÁN, José Gimeno. A educação que temos e a educação que queremos. In: IMBERNÓN, Fernandes. Educação no século XX: os desafios do futuro imediato. Porto Alegre: ARTMED, 2000.

SEVERINO, Antônio Joaquim. A busca do sentido da formação humana: tarefa da Filosofia da Educação: Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n3, set/dez, 2006.

THEODORO, Janice. Educação para um mundo em transformação.

TRIVINOS, Augusto Silva. A dialética materialista e a prática social. Movimento, Porto Alegre, v.12, n. 02, p. 121-142, maio/agosto de 2006.

BRASIL. Senado. Censo escolar de 2003. Disponível em: . Acesso em: 19 out. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº2, de 28 de abril de 2008. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2016.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Intersaberes - ISSN 1809-7286