Educação de jovens e adultos no período ditatorial e pós-ditatorial no Brasil: uma breve análise dos programas de alfabetização e letramento

Carla Karoline Veloso Costa, Fernanda Bresolin

Resumo


RESUMO

Este artigo apresenta uma reflexão acerca do contexto histórico da Educação de Jovens e Adultos (EJA) no Brasil, mais especificamente no período ditatorial e de redemocratização. A reflexão foi realizada por meio de análise documental sobre os caminhos percorridos pela EJA, bem como os programas e políticas que organizaram o movimento no país. Foram utilizadas fontes bibliográficas de pesquisa abrangendo o contexto de 1530 a 2000. As obras analisadas apresentam os fatos e discorrem sobre possíveis soluções no campo teórico sobre o problema do analfabetismo e do fracasso escolar. A educação tecnicista e o viés ideológico tomaram conta da EJA durante o regime militar, extinguindo propostas por uma educação transformadora. Anos depois, com o processo de redemocratização política, a EJA voltou a ser debatida com a sociedade. Diante das análises o que se considera é que com base em documentos legais, a EJA foi reconhecida como responsabilidade do Estado, mas na prática nunca recebeu investimentos necessários para poder concretizar a sua proposta pedagógica, o que a tornou compensatória e emergencial.

Palavras-chave: Educação de Jovens e Adultos. Analfabetismo. Alfabetização e letramento.

ABSTRACT

This article presents a reflection on the historical context of Youth and Adult Education (EJA) in Brazil, more specifically in the dictatorial and redemocratization periods. The reflection was held through documentary analysis on the paths taken by the EJA, as well as the programs and policies that organized the movement in the country. Bibliographic sources of research covering the context from 1530 to 2000 were used. The analyzed works present the facts and discuss possible solutions in the theoretical field about the problem of illiteracy and school failure. Technicist education and ideological bias took over the EJA during the military regime, extinguishing proposals for a transformative education. Years later, with the process of political redemocratization, EJA was again debated with society. Given the analysis, it is considered that, based on legal documents, EJA was recognized as the responsibility of the State, but in practice it has never received the necessary investments to realize its pedagogical proposal, resulting in compensatory and emergency efforts.

Keywords: Youth and Adult Education. Illiteracy. Alphabetizing and literacy.

RESUMEN

Este artículo presenta una reflexión acerca del contexto histórico de la Educación de Jóvenes y Adultos (EJA) en Brasil, más específicamente durante el período de la dictadura y de la redemocratización. La reflexión se realizó por medio de análisis documental sobre los caminos recorridos por la EJA, así como los programas y políticas que organizaron el movimiento en el país. Se utilizaron fuentes bibliográficas de investigación sobre el contexto desde 1530 a 2000. Las obras analizadas presentan los hechos y discurren sobre posibles soluciones en el campo teórico sobre el problema del analfabetismo y del fracaso escolar. La educación tecnicista y la orientación ideológica controlaron la EJA durante el régimen militar, eliminando propuestas por una educación transformadora. Años después, con el proceso de redemocratización política, la EJA volvió al debate público. Con el análisis hecho, se comprobó que, sobre la base de documentos legales, la EJA ha sido reconocida como responsabilidad del Estado, pero nunca recibió inversiones necesarias para poder concretar su propuesta pedagógica, lo que resultó en esfuerzos compensatorios y realizados para afrontar emergencias.

Palabras-clave: Educación de Jóvenes y Adultos. Analfabetismo. Alfabetización y letramento.

Texto completo:

PDF

Referências


ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da educação. 2. ed. São Paulo: Moderna, 1996.

BEISEGEL, Celso Rui. Estado e educação popular: um estudo sobre a educação de adultos. São Paulo: Pioneira, 1974.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional; lei 9.394/96. 6. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

CORRÊA, Arlindo Lopes. Educação de massa e ação comunitária. Rio de Janeiro, 1979.

GADOTTI, M.; ROMÃO, J. E. Educação de jovens e adultos: teoria prática e proposta. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

HADDAD, S.; DI PIERRO, M. C. Escolarização de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 14, 2000.

KOCHE, Carlos José. Fundamentos de Metodologia Científica. Vozes. v.2. São Paulo, 1997.

LOPES, Selva Paraguassu; SOUSA, Luzia Silva. EJA: uma educação possível ou mera utopia? 2. Ed. São Paulo: Cortez, 2004.

NISKIER, Arnaldo. Educação brasileira: 500 anos de história, 1500-2000.7. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1989.

PAIVA, Vanilda P. Educação popular e educação de adultos. 5.ed. São Paulo: Loyola, 1987.

PORCARO, Rosa Cristina. A história da educação de jovens e adultos no Brasil. Viçosa: Departamento de Educação da Universidade Federal de Viçosa, 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 de julho 2018.

RANGEL, Elba Alonso. Jovens e adultos trabalhadores pouco escolarizados no Brasil: problema estrutural para o desenvolvimento nacional. 2011. Trabalho de Conclusão de curso (Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia). Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: http://docplayer.com.br/2808433-Jovens-e-adultos-trabalhadores-pouco-escolarizados-no-brasil.html Acesso em: 09 de junho de 2018.

______. Leôncio José Gomes. A Educação de Jovens e Adultos. Momentos históricos e desafios atuais. Presença Pedagógica. v. 2, n.11, 1996.

SOARES, L.J. Os fóruns de Educação de Jovens e Adultos: articular, socializar e intervir. Presença pedagógica, Belo Horizonte, v.9, n.54, 2003.




Direitos autorais 2019 Caderno Intersaberes